sexta-feira, março 21, 2008

Série: ÉTICA NA IGREJA



Porque uma série sobre ética?

Ética (definição genérica): Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal, seja relativamente a determinada sociedade, seja de modo absoluto. As regras que declaram a conduta do indivíduo como boa ou má, certa ou errada, o que deve ou não ser feito, fazem parte da matéria ética. Isto pode perder sua objetividade no mundo secular por causa do relativismo moral em que está mergulhada nossa sociedade; mas quando se trata de ética cristã, não há como fugir quanto à sua inerente forma de conduta, que é universal, aplicável em todas as culturas e situações, dependente somente da revelação dada na Palavra por Deus, seu autor.

A ética precisa definir o que é o bom e o mal comportamento. Porém, sem um referencial absoluto, estas regras tornam-se trivialidades pessoais daqueles que impõe como certo seus gostos pessoais. Mais recentemente a ética até vêm sendo desenvolvida nestes termos, como expressão do gosto comum de uma comunidade reunida em determinado local. Porém, se esquecem que existe, sim, um referencial único de certo e errado: certo é tudo aquilo que Deus aprova, e errado, o que Ele condena.

A ética cristã leva vantagem nesta área. E o cristão, também. O lugar onde a oportunidade é mais conveniente para a demonstração ao mundo de uma ética diferente, superior e correta é a Igreja de Cristo. Uma vez que a ética é a proposta das regras de conduta onde as virtudes se tornam excelentes pela sua prática constante, nada mais apropriado do que numa comunidade que se diz renovada em sua alma, transformada à imagem do Deus encarnado, demonstrar estas realidades em sua vida comunitária e cotidiana.

O problema é que tais atitudes que revelam as realidades espirituais da Igreja estão, cada vez mais, em falta. Começa a ficar difícil encontrar dentro das igrejas condutas éticas que sejam aprovadas pelo senso crítico comum, que dirá pela Escritura! É mister falar de ética para que se veja, sinta e prove na vida da igreja e na vida daqueles que a cercam, uma ética digna da operação do Espírito Santo na vida de cada crente que compõe a Igreja de Cristo.

Questões centrais: Ética ou éticas?

Questões como esta são sempre difíceis de responder. Podemos falar em ética, ou seriam várias? O mundo pluralista e sem um ponto convergente dirá: éticas! O cristão consciente da presença de Deus em autoridade sobre suas obras dirá: ética. Ética Divinamente revelada, multifacetada pelo pecado humano, redimida pela renovação do sangue do Cordeiro.

O mundo vem tentando responder às questões éticas diligentemente. Seus esforços são recompensados pela variedade de filosofias éticas que se produziu, sem chegar a um lugar comum. Homens como Sócrates, Platão, Aristóteles, Kant, Hegel, Comte, Sartre e até Marx e Weber escreveram muito sobre ética. O pressuposto de cada um deles divergia, por vezes, como a água do fogo. Todos interessados em firmar bases para a conduta ética do homem.
Infelizmente, estes esforços não levaram em conta o Deus Criador, Soberano e Redentor, e falharam em responder satisfatoriamente aos questionamentos éticos do homem. Prova disto é que as “respostas”, sempre insuficientes, foram sendo substituídas à medida que saída uma nova publicação na área. Levar em conta Deus é levar em conta sua revelação. Fazendo coro com a Confissão de Fé de Westminster, cremos que tudo com respeito à salvação está claramente revelado na Escritura; portanto a ética cristã, séria e comprometida com o estudo da Escritura não tenderá a uma variedade infindável; mas ao lugar comum da verdade clara da Escritura.

De fato, isto é assim porque nesta mesma Confissão, e na publicidade da profissão de fé o crente declara crer e se comprometer a propagar a crença de que a Escritura Sagrada é sua regra de fé e prática.

Sem um ponto comum, comprometimento com a Escritura, nunca poderemos falar de ética. A ética é a ciência que trata da conduta do homem. A Escritura é a revelação de Deus de como a conduta do homem deve ser. Mas se desejarmos, chegaremos a um consenso. Basta querer, basta levar à sério a profissão de fé, e crer, com fé e vida, que a Bíblia é nossa regra de fé e conduta...

6 comentários:

Milton Jr. disse...

Jônatas,
apreciei bastante esse post introdutório.Aguardo os próximos posts desta série.

O problema da relativização da ética parece tomar proporções cada vez maiores dentro da igreja cristã. É importante, diante de tantos assuntos tais como células-tronco, aborto, homosexualismo, que o cristão tenha a sua ética moldada pela Palavra do Senhor.

Anônimo disse...

Jônatas, vou acompanhar esses posts sobre ética. Me agradaria muito ver seu pensamento artístico discorrendo sobre os resultados morais e espirituais oriundos das "éticas" não-bíblicas degladiando com a ética da Bíblia.
Abraços e parabéns pelo blog.
Mauro F.F.

Obs: Ô Milton, e aqui no blog no Jônatas, posso te chamar de Bat....???

ewerson apsys@pop.com.br disse...

MUITO LEGAL ESSE TEMA. SE UM SATANISTA ESTUDAR SOBRE ÉTICA PODERÁ ENTRAR NO MEIO DA IGREJA E SE INFILTRAR FÁCILMENTE OU NÃO?USAR UM TERNO, NÃO ENGANAR NINGUÉM, DAR DÍZIMOS E OFERTAS, SER MARIDO DE UMA SÓ MULHER. POR ISSO ACHO PERIGOSO DEIXAR TUDO NO CONTROLE DA ÉTICA, TEMOS QUE TER CUIDADO PARA NÃO EXCLUIR IRMÃOS.AS NORMAS ÉTICAS ACABAM CRIANDO UMA TAXA DE DESCONTROLE E O QUE FAZER?
ABRAÇÁ-LOS OU NÃO? MAS A BUSCA CONTINUA...

Jônatas Abdias disse...

Caro Ewerson.
Não fica claro, exatamente, o que quer dizer no seu coment, mas pelo que entendi, respondo: Não meu caro, não é ética que controla a igreja, mas a Bíblia. Igualmente, é a mesma bíblia, fonte autoritativa da conduta do crente, que deve nascer uma ética condizente com este princípio. Um satinista que estude a ética cristã se deparará com parâmetros elevados de santidade prática, coisa que certamente abomina!
Não haverá descontrole se submetermos todas as regras éticas ao escrutínio da Palavra de Deus. Está aí o caminho, e os posts seguintes vão tornar isso mais claro! abcs

Anônimo disse...

A Paz!
Gostei muito desse post, mas fiquei com uma duvida: qdo seguimos a Palavra de Deus em todos os aspectos da nossa vida ñ seremos éticos tanto conosco qto com os q estão em nossa volta? Qto O Fruto do Espírito, ñ é Ele q nos ensina a ser éticos?
L.Grunevalt

Jônatas Abdias disse...

Caro L. Grunevalt, por dificuldades com a internet, não pude responder antes. Mas aí vai: Sim, a idéia é justamente essa, de apelar aos cristãos que assumam um compromisso sério de viver as regras que afirmas governar sua conduta. E sim, o fruto do Espírito, conforme Gálatas 5 nos diz, nos conduz a isso. Mas observe: não é o que testemunhamos contidianamente. As pessoas tem dificuldades em levar à cabo seus compromisso de fé. Uma resposta simplista seria dizer que "não têm fé". Esquecem-se de que o pecado ainda existe e exerce nefasta influência sobre nós e nosso comportamento. Claro que entendo que existe grande diferença entre pecado reinando e pecado remanescente, mas a presença do pecado sempre será danosa e nefasta.
Então, o post se presta a isso, a explicar por que vou falar de ética na igreja: porque estamos falhando nesta área, na área prática, e está mais do que na hora de fazermos aquilos que já sabemos que é certo...
Abcs
JAM